quarta-feira, 24 de setembro de 2008

O Livro dos Espíritos

Bem queridos amigos,
Através dessa nova categoria, pretendo citar alguns trechos do O Livro dos Espíritos. Livro esse que deu início a codificação realizada por Allan Kardec e de suma importância para todos os que desejem conhecer um pouco mais a respeito dessa doutrina tão consoladora.
Não tenho intensão, pois nem tenho conhecimento para isso, de discutir à respeito do livro, apenas postarei trechos do livro traduzido por J. Herculano Pires.

Introdução à "O Livro dos Espíritos"

Com este livro, a 18 de abril de 1857, raiou para o mundo a era espírita. Este não é um livro comum, que se pode ler de um dia para o outro e depois esquecer num canto da estante. Nosso dever é estudá-lo e meditá-lo, lendo-o e relendo-o constantemente.
Ele é a pedra fundamental do Espiritismo, o seu marco inicial. Antes deste livro não havia Espiritismo, e nem mesmo esta palavra existia.
Há uma seqüência histórica que não podemos esquecer, ao tomar este livro nas mãos. Quando o mundo se preparava para sair do caos das civilizações primitivas, apareceu Moisés, como o condutor de um povo destinado a traçar as linhas de um novo mundo: e de suas mãos surgiu a Bíblia. Não foi Moisés quem a escreveu, mas foi ele o motivo central dessa primeira codificação do novo ciclo de revelações: o cristão. Mais tarde, quando a influência bíblica já havia modelado um povo, e quando este povo já se dispersava por todo o mundo gentio, espalhando a nova lei, apareceu Jesus; e das suas palavras, recolhidas pelos discípulos, surgiu o Evangelho.
A Bíblia é a codificação da primeira revelação cristã, o código hebraico em que se fundiram os princípios sagrados e as grandes lendas religiosas dos povos antigos. O Evangelho é a codificação da segunda revelação cristã, que lança a sua luz sobre o passado e o futuro, estabelecendo entre ambos a conexão necessária. Mas assim como, na Bíblia, já se anunciava o Evangelho, também neste aparecia a predição de um novo código, o do Espírito da Verdade, como se vê em João, XIV. E o novo código surgiu pelas mãos de Allan Kardec, no momento exato em que o mundo se preparava para entrar numa fase superior do seu desenvolvimento.
Cada fase da evolução humana se encerra com uma síntese conceptual de todas as suas realizações. A Bíblia é a síntese da antigüidade, como o Evangelho é a síntese do mundo greco-romano-judaico, e “O Livro dos Espíritos” a do mundo moderno. Na síntese evangélica temos de considerar, sobretudo, a presença do Messias, como uma intervenção direta do Alto para a reorientação do pensamento terreno. É graças a essa intervenção que os princípios evangélicos passam diretamente, sem necessidade de readaptações ou modificações, em sua pureza primitiva, para as páginas deste livro, como as vigas mestras da edificação da nova era.

Um comentário:

Andréa Ramos disse...

Ou Luciana,que linda surpresa receber o link dessa preciosidade de blog.
Amei,amei,amei.
Posso colocar o link do Aprender para evoluir em destaque lá no meu cantinho para que todos tenham acesso à essa aula de amor e vida?
Meus olhos estão sorrindo ao ver a imagem do querido Chico abraçando Jesus,que coisa mais linda.
Obrigada por compartilhar comigo esse blog lindo.Estou em estado de graça.
Muitos beijos e agora ficarei ainda mais ansiosa do que já estava para te conhecer pessoalmente.
Fique com Deus