terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Escamas




"E logo lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e recuperou a vista." - (ATOS, 9:18.)


A visita de Ananias a Paulo de Tarso, na aflitiva situação de Damasco, sugere elevadas considerações.

Que temos sido nas sombras do pretérito senão criaturas recobertas de escamas pesadas sob todos os pontos de vista? Não somente os olhos se cobriram de semelhantes excrescências.

Todas as possibilidades confiadas a nós outros hão sido eclipsadas pela nossa incúria, através dos séculos.

Mãos, pés, língua, ouvidos, todos os poderes da criatura, desde milênios permanecem sob o venenoso revestimento da preguiça, do egoísmo, do orgulho, da idolatria e da insensatez.

O socorro concedido a Paulo de Tarso oferece, porém, ensinamento profundo.

Antes de recebê-lo, o ex-perseguidor rende-se incondicionalmente ao Cristo; penetra a cidade, em obediência à recomendação divina, derrotado e sozinho, revelando extrema renúncia, onde fora aplaudido triunfador.

Acolhido em hospedaria singela, abandonado de todos os companheiros, confiou em Jesus e recebeu-lhe a sublime cooperação.

É importante notar, contudo, que o Senhor, utilizando a instrumentalidade de Ananias, não lhe cura senão os olhos, restituindo-lhe o dom de ver.

Paulo sente que lhe caem escamas dos órgãos visuais e, desde então, oferecendo-se ao trabalho do Cristo, entra no caminho do sacrifício, a fim de extrair, por si mesmo, as demais escamas que lhe obscureciam as outras zonas do ser.

Quanto lutou e sofreu Paulo, a fim de purificar os pés, as mãos, a mente e o coração? Trata-se de pergunta digna de ser meditada em todos os tempos.

Não te esqueças, pois, de que na luta diária poderás encontrar os Ananias da fraternidade, em nome do Mestre; aproximar-se-ão, compassivos, de tuas necessidades, mas não olvides que o Senhor apenas permite que te devolvam os olhos, a fim de que, vendo claramente, retifiques a vida por ti mesmo.

do Livro: Vinha de Luz - pelo Espírito Emmanuel - Psicografia de Chico Xavier.

sábado, 29 de novembro de 2008

Higiene do Coração






"Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus."
(Mateus, V, 8.)



Há corações limpos e há corações sujos. Para aqueles reservou o Senhor a visão de Deus.



E assim como há necessidade da higiene do corpo, para que o corpo funcione regularmente. com mais forte razão faz-se preciso higiene do coração, para que o Espírito ande bem.



É preciso limpar o coração para se ver a Deus. Ninguém há de coração sujo que tenha olhos abertos para o Supremo Artífice de Todas as Coisas.



"A boca fala do que o coração está cheio; do interior procedem as más ações, os maus pensamentos."



Coração sujo, homem sujo; coração limpo, alma límpida, apta para ver Deus. Faz-se mister limpar o coração. Mas, de que forma começar esse asseio?



É preciso que nos conheçamos primeiramente; é preciso conhecermos o coração. Nosce te ipsum, conhece-te a ti mesmo! Saber quem somos e os deveres que nos cumpre desempenhar; interrogar cotidianamente a nossa consciência; exercitar um culto estritamente interno, tal é o 'inicio dessa tarefa grandiosa para a qual fomos chamados à Terra.



A limpeza de coração substitui o culto externo pelo interno. As genuflexões, as adorações pagãs, as preces cantadas e mastigadas, nenhum efeito têm diante de Deus.



O que o Senhor quer é a limpeza, a higiene do coração. Fazer culto exterior sem o interior, é o mesmo que; caiar sepulcros que guardam podridões!



Limpar o coração é renunciar ao orgulho e egoísmo com toda a sua prole malfazeja! É pensar, estudar. compreender; é crer no Amado Filho de Deus pelos seus ditames redentores!



É ser bom, indulgente, caridoso, humilde, paciente, progressista; é, finalmente, renunciar ao mal para abraçar o bem; deixar a aparência pela realidade; preferir o Reino dos Céus ao Reino do Mundo, pois só dentro do Supremo Reinado poderemos ver Deus!



(Parábolas e Ensinos de Jesus – Caírbar Schutel)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Perdoar sempre...



Perdoa as Nossas Dívidas, Assim Como Perdoamos aos Nossos Devedores


Quando pronunciamos as palavras “perdoa as nossas dividas, assim como perdoamos aos nossos devedores”, não apenas estamos à espera do benefício para o nosso coração e para a nossa consciência, mas estamos igualmente assumindo o compromisso de desculpar os que nos ofendem.

Todos possuímos a tendência de observar com evasivas os grandes defeitos que existem em nós, reprovando, entretanto, sem exame, pequeninas faltas alheias. Por isso mesmo Jesus, em nos ensinando a orar, recomendou-nos esquecer qualquer mágoa que alguém nos tenha causado.

Se não oferecermos repouso à mente do próximo, como poderemos aguardar o descanso para os nossos, pensamentos?

Será justo conservar todo o pão, em nossa casa, deixando a fome aniquilar a residência do vizinho?

A paz é também alimento da alma, e, se desejamos tranqüilidade para nós, não nos esqueçamos do entendimento e da harmonia que devemos aos demais. Quando pedirmos a tolerância do Pai Celeste em nosso favor, lembremo-nos também de ajudar aos outros com a nossa tolerância. Auxiliemos sempre. Se o Senhor pode suportar-nos e perdoar-nos, concedendo-nos constantemente novas e abençoadas oportunidades de retificação, aprendamos, igualmente, a espalhar a compreensão e o amor, em benefício dos que nos cercam.


Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Pai Nosso. Ditado pelo Espírito Meimei. 19a edição. FEB, 1999.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Prece pelos que estão em aflição


Queridos amigos!


Essas preces que estarei disponibilizando nessa categoria,
foram retiradas do Evangelho Segundo o Espiritismo


Orar: uma caridade que está ao alcance de todos nós.



Prece pelos que estão em aflição

Meu Deus de infinita bondade, dignai-vos abrandar a amargura da situação de "fulano", se assim form de Vossa vontade! Bons Espíritos, em nome de Deus Todo Poderoso eu vos peço assistência para as suas aflições. Se, no seu próprio benefício, elas não podem ser diminuídas, fazei-lhe compreender que elas são necessárias ao seu adiantamento. Dai-lhe a confiança em Deus e no futuro, que as tornará menos amargas. Dai-lhe também a força de não sucumbir ao desespero, o que lhe faria perder os benefícios e tornaria a sua situação futura ainda mais penosa. Revertei o meu pensamento para ele, e que assim eu possa ajudá-lo a sustentar a coragem necessária.


Fiquem na paz!!
Luciana

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Simples Biografia de Chico Xavier



No dia 02 de abril de 1910, nasceu em Pedro Leopoldo (MG), Francisco Cândido Xavier, filho de um casal simples, seu pai um operário e sua mãe uma lavadeira. Ficou órfão de mãe com 05 anos.

Passando por dificuldades seu pai entregou alguns de seus nove filhos aos cuidados de amigos e parentes, Chico Xavier ficou aos cuidados de sua madrinha, uma mulher que o maltratava.

Ainda menino aprendeu a se manter calmo e calado em momentos de sofrimento, pois sofria agressões de sua madrinha, nestes momentos se dirigia ao quintal da casa a fim de reencontrar sua mãe, ele sempre a via e a escutava após fazer orações.

Algum tempo depois seu pai se casou novamente com uma mulher boa e caridosa. Ainda em dificuldade sua madrasta iniciou uma horta em casa e logo para o sustento da família começaram a vender legumes, com o dinheiro Chico Xavier voltou a freqüentar a escola em 1919.

Quando saiam todas as pessoas de casa, uma de suas vizinha começou a roubar os legumes da horta, e isso estava causando problemas para família de Chico, sua madrasta sugeriu então que Chico consultasse sua mãe que deu o seguinte conselho, disse que não deveriam brigar com os vizinhos e que toda vez que sua madrasta se ausentasse, que desse a chave de casa à vizinha, para que ela tomasse conta da casa. Dessa forma, a vizinha, responsável pela casa, não roubou mais os legumes.

Passado os problemas, Chico não via mais sua mãe com tanta freqüência, mas começou a ter sonhos e se levantava durante a noite para falar com pessoas invisíveis, e pela manhã contava histórias de pessoas que já haviam morrido. Sem que conseguisse compreender, seu pai o levou até um vigário, que disse que um demônio estava perturbando o menino.

Ao conversar com sua mãe, triste por não ser compreendido por ninguém, escutou dela que precisava modificar seus pensamentos, que não deveria ser uma criança indisciplinada, para não ganhar antipatia dos outros. Deveria aprender a se calar e que, quando se lembrasse de alguma lição ou experiência recebida em sonho, que ficasse em silêncio.

E durante 07 anos consecutivos, de 1920 a 1927, ele não teve mais qualquer contato com sua mãe. Seguia a religião católica participando dos ritos. Em 1923 concluiu o ensino primário, e começou a trabalhar numa fábrica. Em 1925 deixou a fábrica, empregando-se na venda do Sr. José Felizardo Sobrinho.

Os sonhos continuavam e logo depois de dormir entrava em transe profundo. Em 1927 sua irmã ficou doente, e um casal de espíritas, reunido com familiares da doente, realizou a primeira sessão espírita que teve lugar na casa. Na mesa, dois livros: "O Evangelho Segundo o Espiritismo" e o "O Livro dos Espíritos", de Allan Kardec. Pela mediunidade de D. Carmem, sua mãe manifestou-se: "Meu filho, eis que nos achamos juntos novamente. Os livros à nossa frente são dois tesouros de luz. Estude-os, cumpra com seus deveres e, em breve, a bondade divina nos permitirá mostrar a você seus novos caminhos”.

Sua professora D. Rosália descobriu sua mediunidade psicográfica, vendo os textos que Chico escrevia após passeios feitos nos campos, ela notava que Chico sempre tirava as melhores notas, e escrevia uma verdadeira página literária sobre o amanhecer e daí tirando conclusões evangélicas. Rosália mostrou aos amigos íntimos a composição e todos foram unânimes em reconhecer que aquilo, se não fora copiado, era então dos espíritos. Ao entrar para o funcionalismo público, como datilógrafo, na Fazenda Modelo do Ministério da Agricultura, começa a demonstrar sua admiração pela natureza.

Distante da cidade, Chico entra cada vez mais em contato com a natureza. Vê em tudo poesia e oração, trata as árvores como irmãs e compreende como poucos a alma do grande todo.

Em maio de 1927 foi realizada a primeira sessão espírita no lar dos Xavier, em Pedro Leopoldo. Em junho do mesmo ano foi cogitada a fundação de um núcleo doutrinário. E no final de 1927 o Centro Espírita Luiz Gonzaga, sediado na residência de José Cândido Xavier, que se fez presidente da instituição, estava bem freqüentado.

As reuniões se realizavam às segundas e sextas-feiras. A nova sede do Grupo Espírita Luiz Gonzaga foi construída no local onde se erguia, antigamente, a casa de Maria João de Deus, mãe de Chico Xavier.

No dia 8 de julho de 1927, Chico Xavier fez a primeira atuação do serviço mediúnico, em público. Seu primeiro livro psicografado foi publicado em 1931. Em 1931, Chico passou a receber as primeiras poesias de "Parnaso de Além - Túmulo", que foi lançado em julho de 1932. Em 1950, Chico Xavier havia recebido, pela sua psicografia, mais de 50 ótimos livros. Vivia seu apogeu.

Tornou-se conhecido no Brasil e no mundo inteiro. O Parnaso de Além Túmulo, por si só, valia pelo mais legítimo dos documentos, validando-lhe o instrumental mediúnico, o mais completo e seguro que o Espiritismo tem tido para lhe revelar as verdades, inclusive o intercâmbio das idéias entre os dois Mundos. Além disso, recebera romances, livros e mais livros, versando assuntos filosóficos, científicos e, sobretudo, realçando o espírito da letra dos Evangelhos, escrevendo e traduzindo, de forma clara e precisa, as Lições consoladoras e imortais do Livro da Vida.

Em 5 de janeiro de 1959 mudou-se para Uberaba, sob a orientação dos Benfeitores Espirituais, iniciando nessa mesma data, as atividades mediúnicas, em reunião pública da Comunhão Espírita Cristã. Deu ele, então, início à famosa peregrinação. Aos sábados, saindo da "Comunhão Espírita-Cristã", o bondoso médium visitava alguns lares carentes, levando-lhes a alegria de sua presença amiga, acompanhado por grande número de pessoas.

A cidade de Uberaba, desde a sua vinda para cá, transformou-se num pólo de atração de inúmeros visitantes das mais variadas regiões do Brasil, e até mesmo do exterior, que aqui aportam com o objetivo de conhecer o médium.

Seu trabalho sempre consistiu na divulgação doutrinária e em tarefas assistenciais, aliadas ao evangélico serviço do esclarecimento e reconforto pessoais aos que o procuram. Os direitos autorais de seus livros publicados, em torno de 340, são cedidos, gratuitamente, às editoras espíritas ou a quaisquer outras entidades.

Quanto à fortuna material, ele continua tão pobre quanto era. Chico era um homem aposentado e recebia somente os proventos de sua aposentadoria. Do ponto de vista espiritual, Chico Xavier é a cada dia que passa um homem mais rico: multiplicou os talentos que o Senhor lhe confiou, através de seu trabalho, de sua perseverança e da sua humildade em serviço.

Mesmo com a saúde debilitada, Chico Xavier continuou, a sua condição de um autêntico missionário do Cristo, continuou a comparecer às reuniões do Grupo Espírita da Prece.

No dia 30 de junho de 2002, em Uberaba, Minas Gerais, Chico Xavier faleceu, enquanto os brasileiros comemoravam a conquista de um campeonato mundial de futebol.


fonte: http://www.chicoxavier.hpgvip.ig.com.br

EMMANUEL E DUAS ORIENTAÇÕES PARA O RESTO DA VIDA :




Emmanuel, nos primórdios da mediunidade de Chico Xavier, deu-lhe duas orientações básicas para o trabalho que deveria desempenhar. Fora de qualquer uma delas, tudo seria malogrado.


Eis a primeira.

- "Está você realmente disposto a trabalhar na mediunidade com Jesus?"

- Sim, se os bons espíritos não me abandonarem... -respondeu o médium.

- Não será você desamparado - disse-lhe Emmanuel - mas para isso é preciso que você trabalhe, estude e se esforce no bem.

- E o senhor acha que eu estou em condições de aceitar o compromisso? - tornou o Chico.

- Perfeitamente, desde que você procure respeitar os três pontos básicos para o Serviço...Porque o protetor se calasse o rapaz perguntou:

- Qual é o primeiro? A resposta veio firme:

- Disciplina.

- E o segundo?

- Disciplina.

- E o terceiro?

- Disciplina.

" A segunda mais importante orientação de Emmanuel para o médium é assim relembrada:

- "Lembro-me de que num dos primeiros contatos comigo, ele me preveniu que pretendia trabalhar ao meu lado, por tempo longo, mas que eu deveria, acima de tudo, procurar os ensinamentos de Jesus e as lições de Allan Kardec e, disse mais, que, se um dia, ele, Emmanuel, algo me aconselhasse que não estivesse de acordo com as palavras de Jesus e de Kardec, que eu devia permanecer com Jesus e Kardec, procurando esquecê-lo.

Ante o mais além


Anseias pela manifestação dos entes amados que te antecederam na grande viagem da desencarnação.

Pondera, entretanto, relativamente à presença deles no plano físico, onde te encontras ainda, e remonta os cuidados que te recebiam nos instantes de luta e sofrimento: medicação para a enfermindade e entendimento nas horas de crise.

Aqueles que se afiguram mortos estão vivos. E todos os teus pensamentos, com respeito a eles, alcançam-lhes o espírito com endereço exato.

Imagina uma pessoa em desequilíbrio emocional que gritasse em lágrimas ao telefone, rogando consolo e coragem ao ente amado na outra ponta do fio, hospitalizado para tratamento de reajuste, a exigir bastas vezes socorro mais intensivo.

Decerto que os responsáveis pelo doente, de um lado, e pelo outro, o enfemo, à distância, tudo fariam para adiar o encontro solicitado, considerando que aflição mais aflição somariam apenas desespero maior.

Diante dos seres queridos domiciliados no Mais Além, reflete, acima de tudo, na infinita bondade de Deus, que nos empresta as afeições uns dos outros por tempo determinado, a fim de aprendermos, através de comunhões e separações temporárias, a entesourar o amor indestrutível que nos reunirá, um dia, na felicidade sem adeus.

E enquanto perdure a distância, do ponto de vista físico, cultiva a saudade nas leiras do serviço ao próximo, qual se estivesse amparando e auxiliando a eles mesmos, tanto quanto efetuando em lugar deles tudo quanto desejariam fazer. Assim construirás, gradativamente, a ponte de intercâmbio pela qual virão ter espontaneamente contigo, de modo a compreenderes que berço e túmulo, existência e morte, são caminhos da evolução para a vida imortal.


médium: Francisco Cândido Xavier

espírito: Emmanuel

livro: Diálogo dos Vivos

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

O Livro dos Espíritos

Bem queridos amigos,
Através dessa nova categoria, pretendo citar alguns trechos do O Livro dos Espíritos. Livro esse que deu início a codificação realizada por Allan Kardec e de suma importância para todos os que desejem conhecer um pouco mais a respeito dessa doutrina tão consoladora.
Não tenho intensão, pois nem tenho conhecimento para isso, de discutir à respeito do livro, apenas postarei trechos do livro traduzido por J. Herculano Pires.

Introdução à "O Livro dos Espíritos"

Com este livro, a 18 de abril de 1857, raiou para o mundo a era espírita. Este não é um livro comum, que se pode ler de um dia para o outro e depois esquecer num canto da estante. Nosso dever é estudá-lo e meditá-lo, lendo-o e relendo-o constantemente.
Ele é a pedra fundamental do Espiritismo, o seu marco inicial. Antes deste livro não havia Espiritismo, e nem mesmo esta palavra existia.
Há uma seqüência histórica que não podemos esquecer, ao tomar este livro nas mãos. Quando o mundo se preparava para sair do caos das civilizações primitivas, apareceu Moisés, como o condutor de um povo destinado a traçar as linhas de um novo mundo: e de suas mãos surgiu a Bíblia. Não foi Moisés quem a escreveu, mas foi ele o motivo central dessa primeira codificação do novo ciclo de revelações: o cristão. Mais tarde, quando a influência bíblica já havia modelado um povo, e quando este povo já se dispersava por todo o mundo gentio, espalhando a nova lei, apareceu Jesus; e das suas palavras, recolhidas pelos discípulos, surgiu o Evangelho.
A Bíblia é a codificação da primeira revelação cristã, o código hebraico em que se fundiram os princípios sagrados e as grandes lendas religiosas dos povos antigos. O Evangelho é a codificação da segunda revelação cristã, que lança a sua luz sobre o passado e o futuro, estabelecendo entre ambos a conexão necessária. Mas assim como, na Bíblia, já se anunciava o Evangelho, também neste aparecia a predição de um novo código, o do Espírito da Verdade, como se vê em João, XIV. E o novo código surgiu pelas mãos de Allan Kardec, no momento exato em que o mundo se preparava para entrar numa fase superior do seu desenvolvimento.
Cada fase da evolução humana se encerra com uma síntese conceptual de todas as suas realizações. A Bíblia é a síntese da antigüidade, como o Evangelho é a síntese do mundo greco-romano-judaico, e “O Livro dos Espíritos” a do mundo moderno. Na síntese evangélica temos de considerar, sobretudo, a presença do Messias, como uma intervenção direta do Alto para a reorientação do pensamento terreno. É graças a essa intervenção que os princípios evangélicos passam diretamente, sem necessidade de readaptações ou modificações, em sua pureza primitiva, para as páginas deste livro, como as vigas mestras da edificação da nova era.

O ESPELHO DA VIDA

A mente é o espelho da vida em toda parte.

Ergue-se na Terra para Deus, sob a égide do Cristo, à feição do diamante bruto, que, arrancado ao ventre obscuro do solo, avança, com a orientação do lapidário, para a magnificência da luz.

Nos seres primitivos, aparece sob a ganga do instinto, nas almas humanas surge entre as ilusões que salteiam a inteligência, e revela-se nos Espíritos Aperfeiçoados por brilhante precioso a retratar a Glória Divina.

Estudando-a de nossa posição espiritual, confinados que nos achamos entre a animalidade e a angelitude, somos ímpelidos a interpretá-la como sendo o campo de nossa consciência desperta, na faixa evolutiva em que o conhecimento adquirido nos permite operar.

Definindo-a por espelho da vida, reconhecemos que o coração lhe é a face e que o cérebro é o centro de suas ondulações, gerando a força do pensamento que tudo move, criando e transformando, destruindo e refazendo para acrísolar e sublimar.

Em todos os domínios do Universo vibra, pois, a influência recíproca.

Tudo se desloca e renova sob os princípios de interdependência e repercussão.

O reflexo esboça a emotividade.

A emotividade plasma a idéia.

A idéia determina a atitude e a palavra que comandam as ações.

Em semelhantes manifestações alongam-se os fios geradores das causas de que nascem as circunstâncias, válvulas obliterativas ou alavancas libertadoras da existência.

Ninguém pode ultrapassar de improviso os recursos da própria mente, muito além do círculo de trabalho em que estagia; contudo, assinalamos, todos nós, os reflexos uns dos outros, dentro da nossa relativa capacidade de assimilação.

Ninguém permanece fora do movimento de permuta incessante.

Respiramos no mundo das imagens que projetamos e recebemos. Por elas, estacionamos sob a fascinação dos elementos que provisoriamente nos escravizam e, através delas, incorporamos o influxo renovador dos poderes que nos induzem à purificação e ao progresso. O reflexo mental mora no alicerce da vida.

Refletem-se as criaturas, reciprocamen te, na Criação que reflete os objetivos do Criador.

Pensamento e vida

Perguntou-nos coração amigo se não possuíamos algum livro no Plano Espiritual, suscetível de ser adaptado às necessidades da Terra.
Algumas páginas que falassem, ao espírito, dos problemas do espírito...
Algo leve e rápido que condensasse os princípios superiores que nos orientam a rota ...
E lembramo-nos, por isso, de singela cartilha falada de que dispomos em nossas tarefas, junto aos companheiros em trânsito para o berço, utilizada em nossas escolas de regeneração, entre a morte e o renascimento.
Anotações humildes que repontam do cérebro como flores que rebentam do solo, sem pertencerem, no fundo, ao jardim que as recolhe, por nascerem da Bondade de Deus que conjuga o Sol e a gleba, a fonte e o ar, o adubo e o vento, para nelas instilar a cor e a forma, a beleza e o perfume...
Eis aqui, portanto, adaptada quanto possível ao campo do esforço humano, a nossa cartilha simples.
“Pensamento e Vida”, chamamos-lhe no Mundo Espiritual e, sob a mesma designação, oferecemo-la aos nossos irmãos de luta, temporariamente internados na esfera física, para informá-los, ainda uma vez, de que o nosso pensamento cria a vida que procuramos, através do reflexo de nós mesmos, até que nos identifiquemos, um dia, no curso dos milênios, com a Sabedoria Infinita e com o Infinito Amor, que constituem o Pensamento e a Vida de Nosso Pai.

EMMANUEL Pedro Leopoldo, 11 de fevereiro de 1958.


Nesta categoria estarei postando as mensagens desse maravilhoso livro utilizado nas colônias espirituais e que sem dúvida, devemos ler e reler essas maravilhosas mensagens.

sábado, 20 de setembro de 2008

Fluido vital é o mesmo que magnetismo animal?

Sim. Fluido vital, termo usado nos livros de Allan Kardec, é exatamente o magnetismo animal, criado pelo médico Franz Anton Mesmer no século 18. Quando se segura dois ímãs, aproximando-os pelos pólos iguais, eles se repelem, dando a impressão de duas superfícies invisíveis se tocando. Mesmer fez uso dessa experiência simples e muito conhecida na época para, por analogia, explicar que os seres estão interligados por seus pensamentos, por um meio invisível natural, uma força imperceptível pelos sentidos comuns. A esse meio Mesmer deu o nome de magnetismo animal, pois relaciona-se à vida orgânica.

Algumas décadas depois, estudando esse fenômeno, o criador da homeopatia, Samuel Hahnemann (1755-1843), fez uso do termo energia vital. Aliás, Hehnemann estudou o magnetismo, que qualificou como "esse maravilhoso e inestimável presente com que Deus agraciou o homem", e incorporou essa terapia à prática homeopática. Rivail (que depois adotaria o pseudônimo Allan Kardec), por sua vez, era magnetizador, e estudou essa ciência por 35 anos antes de iniciar a pesquisa espírita.

O fluido vital é a energia intermediária entre o corpo físico e o perispírito (corpo espiritual). Todos os fenômenos que envolvem energia no organismo são conhecidos e explicados pelos processos físico-químicos. Então, qual a função da energia vital? Essa energia tem como função manter o perispírito ligado a cada uma das 100 trilhões de células do corpo humano adulto. Essa ligação une o corpo biológico à alma, sede da vontade e razão.

Quando a medicina conhecer toda essa complexidade da fisiologia humana terá em suas mãos recursos formidáveis para a recuperação da saúde, por um tratamento natural, ao alcance de todos.

(Redação)
fonte: Revista Universo Espírita, ed.40

Agradecendo

É com muito carinho que quero agradecer aos responsáveis pela revista "Universo Espírita" que autorizaram a postagem de matérias (ou parte delas) nesse blog.
Para todos aqueles que são espíritas ou simplesmente simpatizam com nossa doutrina, essa sem dúvida, é uma revista muito clara e objetiva sobre vários temas abordados pelo mundo espiritual.

Vale a pena!! Uma leitura esclarecedora e muito edificante.

Esta mensagem havia sido postada no antigo endereço do blog no dia: 05/10/2007

Prece a Mãe Santíssima



Mãe Santíssima!...

Enquanto as mães do mundo são reverenciadas, deixa te recordemos a pureza incomparável e o exemplo sublime...

Soberana, que recebeste na palha singela o Redentor da Humanidade, sem te rebelares contra as mães felizes, que afagavam espíritos criminosos em palácios de ouro, ensina-nos a entesourar as bênçãos da humanidade.
Lâmpada de ternura, que apagaste o próprio brilho para que a luz do Cristo fulgurasse entre os homens, ajuda-nos a buscar na construção do bem para os outros o apoio de nossa própria felicidade. Benfeitora, que te desvelaste, incessantemente, pelo Mensageiro da Eterna Sabedoria, sofrendo-lhe as dores e compartilhando-lhe as dificuldades, sem qualquer pretensão de furtá-lo aos propósitos de Deus, auxilia-nos a extirpar do sentimento as raízes do egoísmo e da crueldade com que tantas vezes tentamos reter na inconformação e no desespero os corações que mais amamos.
Senhora, que viste na cruz da morte o Filho Divino, acompanhando-lhe a agonia com as lágrimas silenciosas de tua dor, sem qualquer sinal de reclamação contra os poderes do Céu e sem qualquer expressão de revolta contra as criaturas da terra, conduza-nos para a fé que redime e para a renúncia que eleva. Missionária, salva-nos do erro.
Anjo estende sobre nós a níveas asas!...
Estrela clareia-nos a estrada com teu lume...
Mãe querida agasalha-nos a existência em teu manto constelado de amor!...
E que todas nós, mulheres desencarnadas e encarnadas em serviço na terra, possamos repetir, diante de Deus, cada dia, a tua oração de suprema felicidade: “- Senhor, eis aqui tua serva, cumpra-se em mim segundo a tua palavra”.
Anália Franco
Mensagem recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, em noite de 10 de maio de 1956, em Pedro Leopoldo, MG.
Página extraída do livro “Vozes do Grande Além”, Ed. FEB.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Calma para o Êxito




Em todos os passos da vida, a calma é convidada a estar presente.



Aqui, é uma pessoa tresvairada, que te agride...



Ali, é uma circunstância infeliz, que gera dificuldade...



Acolá, é uma ameaça de insucesso na atividade programada...



Adiante, é uma incompreensão urdindo males contra os teus esforços...



É necessário ter calma sempre.



A calma é filha dileta da confiança em Deus e na Sua justiça, a expressar-se numa conduta reta que responde por uma atitude mental harmonizada.



Quando não se age com incorreção, não há por que temer-se acontecimento infeliz.



A irritação, alma gêmea da instabilidade emocional, é responsável por danos, ainda não avaliados, na conduta moral e emocional da criatura.



A calma inspira a melhor maneira de agir, e sabe aguardar o momento próprio para atuar, propiciando os meios para a ação correta.



Não antecipa, nem retarda.



Soluciona os desafios, beneficiando aqueles que se desequilibram e sofrem.



Preserva-te em calma, aconteça o que acontecer.



Aprendendo a agir com amor e misericórdia em favor do outro, o teu próximo, ou da circunstância aziaga, possuirás a calma inspiradora da paz e do êxito.



Divaldo P. Franco.

Ditado pelo Espírito Joanna de Angelis.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Carinho de amiga

Oi Amiga..obrigada por ter passado no meu blog, infelizmente não consigo deixar mensagem no seu, mas estou enviando esse email como agradecimento...

Espero que tudo esteja em ordem por ai e que a luz do Mestre Jesus possa guiar-lhe pelas veredas do amor, da paz e da sabedoria...

Muita luz no seu caminho e paz em sua jornada...

Bjux da amiga....Regina



Recebi por e-mail esse carinho da amiga Regina, http://caminho.blog.terra.com.br. Façam uma visitinha no seu blog, tenho certeza que vocês vão adorar.

Beijos Rê, obrigada pelo carinho.
Lu

Aos Médiuns




Que a paz do Senhor nos felicite os corações.


Mediunidade com Jesus é serviço aos semelhantes.


Desenvolver esse recurso é, sobretudo, aprender a servir.


Aqui, alguém fala em nome dos espíritos desencarnados; ali, um companheiro aplica energias curadoras; além, um cooperador ensina o roteiro da verdade; acolá, outrem enxuga as lágrimas do próximo, semeando consolações.Contudo, é o mesmo poder que opera em todos.


É a divina inspiração do Cristo, dinamizada através de mil modos diferentes por reeguer-nos na condição de inferioridade ou de sofrimento ao titulo de herdeiros do Eterno Pai.


E nessa movimentação bendita de socorro e esclarecimento, não se reclama o titulo convencional do mundo qualquer que seja, porque a mediunidade cristã, em si, não colide com nenhuma posição social, constituindo fonte do Céu a derramar benefícios na Terra, por intermédio dos corações de boa vontade.


Em razão disso, antes de qualquer sondagem das forças psíquicas, no sentido de se lhes apreciar o desdobramento, vale a consagração do trabalhador à caridade legítima, e cujo exercício todas as realizações sublimes da alma podem ser encontradas.


Quem desejar a verdadeira felicidade, há de improvisar a felicidade dos outros; quem procure a consolação, para encontrá-la, deverá reconfortar os mais desditosos da humana experiência.


Dar para receber.Auxiliar para ser amparado.Esclarecer para conquistar a sabedoria e devotar-se ao bem do próximo para alcançar a divindade do amor.


Eis a lei que impera igualmente no campo mediúnico, sem cuja observação, o colaborador da Nova Revelação não atravessa os pórticos das rudimentares noções de Vida Eterna.


Espírito algum construirá a escada de ascensão sem atender às determinações do auxilio mútuo.


Nesse terreno, portanto, há muito que fazer nos círculos da Doutrina Cristã rediviva, porque não basta ser médium para honrar-se alguém com as bênçãos da luz, tanto quanto não vale possuir uma charrua perfeita, sem a sua aplicação no esforço da sementeira.


A tarefa pede fortaleza no serviço com ternura no sentimento.


Sem um raciocínio amadurecido para superar a desaprovação provisória da ignorância e da incompreensão e sem as fibras harmoniosas do carinho fraterno, para socorrê-las, com espírito de solidariedade real, é quase impraticável a jornada para a frente.


Os golpes da sombra martelam o trabalho iluminativo da mente por todos os flancos e imprescindível se torna ao instrumento humano das Verdades Divinas armar-se convenientemente na fé viva e na boa vontade incessante, a fim de satisfazer aos imperativos do ministério a que foi convocado.


Age, assim, com isenção de ânimo, sem desalento e sem inquietação, em teu apostolado de curar.


Estende as tuas mãos sobre os doentes que te busquem o concurso de irmão dos infortunados convicto de que o Senhor é o Manancial de todas as Bênçãos.


O lavrador semeia, mas é a Bondade Divina que faz desabrochar a flor e preparar-se o fruto.


É indispensável marchar de alma erguida para o Alto, vigiando, embora as serpentes e os espinhos que povoam o chão.


Diversos amigos se revelam interessados em tua tarefa de fraternidade e luz e não seria justo que a hesitação te paralisasse os impulsos mais nobres, tão somente porque a opinião do mundo te não entende os propósitos, nem os objetivos da esfera espiritual, de maneira imediata.


Não importa que o templo seja humilde e que os mensageiros compareçam na túnica de extrema simplicidade.


O Mestre Divino ensinava a verdade à frente de um lago e costumava administrar os dons celestiais sob um teto emprestado; além disso, encontrou os companheiros mais abençoados e fiéis entre pescadores anônimos, integrados na vida singela da natureza.


Não te apoquentes, meu irmão, e segue com serenidade.


Claro está que ainda não temos seguidores leais do Senhor sem a cruz do sacrifício.


Mediunidade é um madeiro de espinhos dilacerantes, mas com o avanço da subida, calvário acima, os acúleos se transformam em flores e os braços da cruz se convertem em asas de luz para a alma livre na Eternidade.


Não desprezes a tua oportunidade de servir e prossegue de esperança robusta.


A carne é uma estrada breve.


Aproveitemo-la sempre que possível na sublime sementeira da caridade perfeita.


Em suma, ser médium no roteiro cristão é dar de si mesmo em nome do Divino Mestre, e foi Ele que nos descerrou a realidade de que somente alcançam a vida verdadeira aqueles que sabem perder a existência em favor de todos os que se constituem seus tutelados e filhos de Deus na Terra.


Segue, assim, amando e servindo.


Não nos deve preocupar a ausência da alheia compreensão.


Antes de cogitarmos do problema de sermos amados, busquemos amar,

conforme o Amigo Celeste nos ensinou,


Que Ele nos proteja, nos fortifique e abençoe.


Bezerra de Menezes


quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Carinho da amiga Jeanne


Com certeza amigos, tudo na vida que é feito com amor, é muito melhor!!!
Distribuam o amor que existe dentro de cada um de vocês, não deixem ele guardado, pois com o tempo simplesmente percebemos que guardamos o que não devíamos.
Deixo esse selinho à todos os amigos que por aqui passarem, com todo o amor que sinto por cada um de vocês.
Beijos no coração
Lu

Jesus Contigo




Dedica uma das sete noites da semana ao Culto Evangélico no Lar, a fim de que Jesus possa pernoitar em tua casa.

Prepara a mesa, coloca água pura, abre o Evangelho, distende a mensagem da fé, enlaça a família e ora.

Jesus virá em visita.

Quando o Lar se converte em santuário, o crime se recolhe ao museu.

Quando a família ora, Jesus se demora em casa.

Quando os corações se unem nos liames da Fé, o equilíbrio oferta bênçãos de consolo e a saúde derrama vinhos de paz para todos.

Jesus no Lar é vida para o Lar.

Não aguardes que o mundo te leve a certeza do bem invariável.

Distende, a tua casa cristã, a luz do Evangelho para o mundo atormentado.

Quando uma família ora em casa, reunida nas blandícias do Evangelho, toda a rua recebe o benefício da comunhão com o Alto.

Se alguém, num edifício de apartamentos, alça aos Céus a prece da comunhão em família, todo o edifício se beneficia,qual lâmpada ignorada, acesa na ventania.

Não te afaste da linha direcional do Evangelho, entre os teus familiares. Continua orando fiel, estudando com os teus filhos e com aqueles a quem amas, as diretrizes do Mestre, e, quanto possível, debate os problemas que te afligem à luz clara da mensagem da Boa Nova e examina as dificuldades que te perturbam ante a inspiração consoladora do Cristo.

Não demandes à rua, nessa noite, senão para os inevitáveis problemas que não possas adiar. Demora-te no Lar para que o Divino Hóspede aí também se possa demorar.


JOANNA DE ÂNGELIS

Ante a Lição

"Considera o que te digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo" - Paulo (II Timóteo, 2:7)

Ante a exposição da verdade, não te esquives à meditação sobre as luzes que recebes.

Quem fita o céu, de relance, sem contemplá-lo, não enxerga as estrelas; e quem ouve uma sinfonia, sem abrir-lhe a acústica da alma, não lhe percebe as notas divinas.

Debalde escutarás a palavra inspirada de pregadores ardentes, se não descerrares o coração para que o teu sentimento mergulhe na claridade bendita daquela.

Inúmeros seguidores do Evangelho se queixam da incapacidade de retenção dos ensinos da Boa Nova, afirmando-se ineptos à frente das novas revelações, e isto porque não dispensam maior trato à lição ouvida, demorando-se longo tempo na província da distração e da leviandade.

Quando a câmara permanece sombria, somos nós quem desata o ferrolho
à janela para que o sol nos visite.

Dediquemos algum esforço à graça da lição e a lição nos responderá com as suas graças.

O apóstolo dos gentios é claro na observação.
"Considera o que te digo, porque, então, o Senhor te dará entendimento em tudo".

Considerar significa examinar, atender, refletir e apreciar.

Estejamos, pois, convencidos de que, prestando atenção aos apontamentos do Código da Vida Eterna, o Senhor, em retribuição à nossa boa-vontade, dar-nos-á entendimento em tudo.

Livro: Fonte Viva, texto 01, página 15
Psicografia: Francisco Cândido Xavier
Espírito: Emmanuel

Dicas de Livros para a Realização do Evangelho

Alguns livros são sugeridos para a realização do evangelho no lar.

Pai Nosso - Meimei

Jesus no Lar - Néio Lúcio

Sinal Verde - André Luiz

Pão Nosso - Emmanuel

Vinha de Luz - Emmanuel

Palavras de Vida Eterna - Emmanuel

Caminho, Verdade e Vida - Emmanuel

Luz no Lar - Espíritos Diversos

O Espírito da Verdade - Espíritos Diversos

Cartilha do Bem - Meimei

Alvorada Cristã - Néio Lúcio

Agenda Cristã - André Luiz

Livro da Esperança - Emmanuel


Postarei uma categoria chamada Textos para o Evangelho no Lar, onde poderão encontrar textos edificantes para a realização do Evangelho

Roteiro para a realização do Evangelho no Lar

1) Prece Inicial

A prece deve ser a manifestação espontânea do nosso coração; façamos nossa prece simples, breve e natural, convidando os nossos amigos espirituais a participarem conosco da reunião.

2) Leitura do Evangelho (ao acaso ou seqüencial)

Abrindo o Evangelho ao acaso, encontraremos sempre a resposta certa para o momento certo, com a orientação para os problemas que nos envolvem. A leitura metódica e seqüencial também é recomendada.

3) Leituras Complementares

Sentindo necessidade de leituras complementares, a doutrina nos oferece uma grande variedade de obras de cunho evangélico que poderão ser consultadas.

4) Comentários

Fazer comentários breves sobre o trecho lido, buscando sempre a essência dos ensinamentos de Jesus, para a sua aplicação na vida diária.

5) Vibrações

Vibrar pela paz no mundo e em todos os lares, pelo nosso lar, por nosso familiares, parentes, amigos e inimigos, pelas crianças órfãs e necessitadas, pelos velhinhos abandonados, pelos enfermos, pelos trabalhadores do bem, por nós mesmos, por nosso crescimento espiritual, etc...

6) Encerramento Prece Final

Agradecer à Deus pela reunião e encerrar depositando no Mestre a certeza de que estaremos reunidos em seu nome na semana seguinte.

Recomendações Importantes

* Horário: marquemos um dia e hora da semana mais conveniente à presença do grupo familiar e procuremos segui-lo fielmente.

* Tempo de duração: a duração da reunião deverá ser de vinte a trinta minutos.

* Preparação do Ambiente: preparemos nossa casa para receber o Mestre harmonizando o ambiente se possível com música. Embora a assistência do Plano Espiritual seja indispensável, não transformemos a reunião em trabalho mediúnico.

* Participação dos filhos/crianças: dediquemos especial atenção às crianças sem esquecermos de que só devem participar quando puderem acompanhar sem inquietação ou fadiga, podendo colaborar ativamente, segundo sua capacidade, quer nas preces, quer nos comentários.

* Viagens/ Visitas: não suspender a prática de "O Evangelho no Lar" em virtude de visitas, passeios, etc...

* Água fluidificada: providenciar uma jarra de água para fluidificação e servir aos presentes após a reunião.

Entre Falsas Vozes

Se a preguiça te pede: - "Descansa!", responde-lhe com algum acréscimo de esforço no trabalho que espera por teu concurso.
Se a vaidade te afirma: - "Ninguém existe maior que tu!", retribui com a humildade, reconhecendo que não passamos de meros servidores da vida, entre os nossos irmãos de luta.
Se o orgulho te diz: - "Não cedas!", aprende a esquecer-te, auxiliando sempre.
Se o ciúme te segreda aos ouvidos: - "A posse é tua!", guarda silêncio em tua alma e procura entender que o amor e o bem são bênçãos do Céu, extensiva a todos.
Se o egoísmo te aconselha: - "Retém!", abre as tuas mãos e distribui a bondade com os que te cercam.
Se a revolta te assevera: - "Reage e reivindica os teus direitos!", aguarda a Justiça Divina, trabalhando e servindo com mais abnegação.
Se a maldade te sugere: - "Vinga-te!", considera que mais vale amparar constantemente o companheiro, quanto temos sido auxiliados por Jesus, afim de que o amor fulgure em nossas vidas.
Os falsos profetas vivem nos recessos de nosso próprio ser.
Surgem, cada dia, invariáveis, na forma da intriga ou da maledicência, da leviandade ou da indisciplina, induzindo-nos a cerrar o coração contra a consciência.
Se aceitamos Jesus em nosso roteiro, ouçamos o que nos diz o seu ensinamento e apliquemo-nos à prática de Suas lições Sublimes.
Olvidemos as insinuações da ignorância e da treva, da crueldade e da má fé, que nos enrijecem o sentimento e, de coração unido à Vontade do Mestre, vendo a vida por seus olhos e ouvindo os nossos irmãos, através de seus ouvidos, estaremos realmente habituados à posição de intérpretes do seu Infinito Amor, em qualquer parte.

médium: Francisco Cândido Xavier
livro: Levantar e Seguir
espírito: Emmanuel

O que é o Evangelho no Lar?




Trata-se do estudo do Evangelho de Jesus em reunião familiar. O "Evangelho no Lar", realizado no ambiente doméstico, é precioso empreendimento que traz diversos benefícios às pessoas que o praticam.


Permite ampla compreensão dos ensinamentos de Jesus e a prática destes, nos ambientes em que vivemos. Ampliando-se o conhecimento sobre o Evangelho, pode-se oferecê-lo com mais segurança a outras criaturas, colaborando-se para a implantação do Reino de Deus na Terra.


As pessoas, unidas por laços consanguíneos, compreenderão a necessidade da vivência harmoniosa e, dentro de suas possibilidades, buscarão, pouco a pouco, superar possíveis barreiras, desentendimentos e desajustes, que possam existir entre pais e filhos, cônjuges e irmãos.


Através do estudo da reencarnação, compreenderão que, aqueles com quem dividem o teto, são espíritos irmãos, cujas tarefas individuais, muitas vezes, dependerão da convivência sadia no ambiente em que vieram a renascer.


Aqueles que, desde cedo, têm suas vidas orientadas pela conduta Cristã, evitam, com mais facilidade, que os embriões dos defeitos que estão latentes em seus espíritos apareçam, sanando, desta forma, o mal antes que ele cresça.


Se, porventura, tendências negativas aflorarem, apesar da orientação desde a infância, encontrarão seguros elementos morais para superá-las, porque os ensinamentos de Jesus tornam-se fortes alicerces para a sua superação.


Com o estudo do Evangelho de Jesus aprende-se a compreender e a conviver na família humana.


Assim, conscientes de que são espíritos devedores perante as Leis Universais, procuram conduzir-se dentro de atitudes exemplares, amando e perdoando, suportando e compreendendo os revezes da vida.


Quando o "Evangelho no Lar" é praticado fielmente à data e ao horário semanal estabelecidos, atrai-se para o convívio doméstico Espíritos Superiores, que orientam e amparam, estimulam e protegem a todos.


A presença de Espíritos iluminados no Lar afasta aqueles de índole inferior, que desejam a desunião e a discórdia. O ambiente torna-se posto avançado da Luz, onde almas dedicadas ao Bem estarão sempre presentes, quer encarnadas, quer desencarnadas.


As pessoas habituadas à oração, ao estudo e à vivência cristã, tornam-se mais sensíveis e passíveis às inspirações dos Espíritos Mentores.

Meu querido Chico






Hoje, quando lia o jornal, deparei-me com uma matéria fazendo alusão aos dois anos da conquista do tão sonhado Pentacampeonato pela Seleção brasileira de futebol, e foi então, que por associação, lembrei-me que hoje, também faz dois anos da tua partida.


Grande foi o meu espanto, amigo (apesar de nunca ter conhecido Chico pessoalmente,mas conheci muito dele através das suas obras, o que sinto dar-me o direito de referir-me assim a ele ), ao constatar e não deixar de soltar aquela frase óbvia :- “Como o tempo passou....e eu nem percebi.....”


Confesso amigo, que o tempo passou mesmo e eu.... na verdade, Chico, passado o choque do impacto do teu desencarne, os dias foram normais, nem mais acinzentado, nem mais coloridos. Talvez, quem esteja lendo esta nossa íntima conversa, possa se espantar com isso, mas você não, amigo. Sensitivo como sempre fostes aqui na terra, certamente enxerga-nos mais além agora na espiritualidade. Sabes que em nenhum momento tu nos deixaste desamparados, ou órfão da tua companhia e amor.Além da tua vibração constante pelos irmãos (nós todos) que ficamos, temos a tua presença meiga e carinhosa representada pela vasta obra que ajudaste a chegar até nós. Quando leio uma obra psicografada por ti, amigo, é impossível não lembrar do querido irmão, do seu sacrifício e da sua resignação constante aos prazeres da vida, pelo trabalho árduo e sacrificante para um corpo tão frágil e debilitado, servir de intermediário às palavras e ensinamentos tão úteis, complementando muito o nosso aprendizado. Se a obra é mensagens, ao ler, ouço bem claro a sua voz serena a declamar cada verso ou cada pensamento, cutucando sutilmente a nossa consciência relembrando os nossos compromissos assumidos pelo burilamento do espírito e a prática da caridade verdadeira, aquela, que tão bem, Paulo nos explicou e que Jesus exemplificou.Se a obra é um romance, ao ler, é impossível não sentir nas palavras a leveza do espírito, sutil e iluminado, que através de histórias, nos traduz uma gama de ensinamentos, contidos nos livros da codificação. Somente um espírito tão belo e determinado, conseguiria transmitir de forma tão autêntica a pureza das comunicações sem colocar, não de forma consciente e proposital, opiniões próprias que poderiam macular as idéias originais passadas.


O que dizer então das milhares psicografias de mensagens testemunhais de espíritos a consolar corações de mães e pais aflitos por separações drásticas e repentinas, incompreendidas no campo da matéria, mas santificadas no campo espiritual, e quando lidas por nós, outrem, que nada temos de ligação com aquelas situações, emocionando nos às lágrimas, com o acalanto e o bálsamo das palavras a curar chagas tão dolorosas e sentidas naqueles corações....


Foi assim, querido amigo, que os anos se passaram, desde aqueles últimos momentos seus na materialidade, que enquanto levantávamos os braços ao alto para comemorar um gol, tu levantavas os teus em sinal de graças por uma vida bem aproveitada.


Portando querido Chico, como poderia sentir a tua falta, se percebi que nestes dois anos, estive lendo sempre alguma obra que tu intermediaste, e assim, sentindo sempre a tua presença amiga, não só junto a mim, mas junto de toda a humanidade que você sempre amou e sempre amará....


Que Deus te abençoe cada vez mais, Chico, e que estejas sempre vivo dentro de nós....


Do amigo João C. Bacurau

30/06/2004- Inverno de 2004
fonte:
http://www.espirito.org.br/

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Jesus e o Mundo






Ainda que sob as condições mais excruciantes, é no mundo que encontramos a Escola abençoada das almas, a oferecer-lhes possibilidades de avançar para o Grande Senhor.





É nas veredas do mundo que cada qual de nós, através das múltiplas existências, vai construindo a sua bagagem de aprimoramento, de progressos, que nos capacitará para o alcandoramento no rumo das estrelas.



É no mundo, onde temos ensejo de chorar e de sofrer, que encontramos a estação que permite-nos o júbilo e o sorriso, quando se fazem conquistas reais de nossas almas, a caminho da ventura sem fim.



Todos os tormentos são atribuídos ao mundo. Entretanto, não pensamos que o mundo é essa querida Escola, e que os alunos néscios ou inconseqüentes são aqueles que tornam a vida no planeta amarga ou desafortunada.



Se é no mundo que achamos motivos para o pranto e defrontamos carências de todos os tipos, desafios e impedimentos, também é aqui onde deparamos a "escada de Jacó", capacitando-nos a subir e a amadurecer, em espírito, logrando o sentido da felicidade.



Convenhamos que não foi sem motivo profundo e grave que o Amigo da Cruz se dirigiu ao Pai Celeste, dizendo, ao referir-se aos Seus, que ficariam internados nos limites terrenos:



- "Pai, não te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal", consoante as anotações atribuídas ao Apóstolo João, no versículo 15, do seu capítulo 17, oferecendo-nos razão para aturadas meditações acerca da nossa relação com o mundo.



Vida e Mensagem

J. Raul Teixeira

espírito: Francisco de Paula Vitor

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Uma semana de Paz



Nasceste no lar que precisavas,
Vestiste o corpo físico que merecias,
Moras onde melhor Deus te proporcionou, de acordo com teu adiantamento.
Possuis os recursos financeiros coerentes com as tuas necessidades, nem mais, nem menos, mas o justo para as tuas lutas terrenas.
Teu ambiente de trabalho é o que elegeste
espontaneamente para a tua realização.
Teus parentes, amigos são as almas que atraístes, com tua própria afinidade.
Portanto, teu destino está constantemente sobre teu controle.
Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais, buscas, expulsas,
modificas tudo aquilo que te rodeia a existência.
Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes...
São as fontes de atração e repulsão na tua jornada vivência.
Não reclames nem te faças de vítima.
Antes de tudo, analisa e observa.
A mudança está em tuas mãos.
Reprograme tua meta, busque o bem e viverás melhor.

CHICO XAVIER

"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo,
qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim"

domingo, 7 de setembro de 2008

Alma Amiga

Alma amiga e boa
Nesta hora que se apregoa
A alegria da amizade,
Aqui estamos em prece
No amor que nos aquece
A real fraternidade.

Quanta bênção se irradia
Na pureza da alegria
De nossa singela união.
Nada de pompa e circunstância
Mas a naturalidade da infância
Nos apelos do coração.

Somos irmãos do caminho
Tecido em áureo arminho
Cercado por campos de flores.
Não nos detém o sofrimento
O suor, a luta e o tormento
Das cruzes de nossas dores.

Temos a fé por Constancia
Aplacando a nossa ânsia
Para a vida plena de paz.
Qual tocha viva de luz
Que ao roteiro certo conduz
Clareando amor pertinaz.

Amizade que é verdadeira
Somente é aquela certeira,
Sem rusgas e dissensão.
Neste caminho sem atalho
Todos temos muito trabalho
Na escola da compreensão.

A simplicidade é nossa guia,
Belo tom de harmonia
Que nos afina no mundo
Tocando a nota sublime
Que nesta terra se exprime
No amor mais profundo.

De Chico tivemos o exemplo
Mostrando que o mais alto templo
Erige-se no coração.
Sigamos o tarefeiro,
Missionário verdadeiro
De nossa redenção.

Veio ele em nome do Cristo
Carregando o amor entrevisto
Por tesouro da própria alma.
Operou simples e austero,
Agiu no ideal sincero
De paz, união e calma.


Fez-se o menor de todos,
Suportou muitos apodos,
Pedrada e desilusão.
Respondeu com silencio e prece
No cadinho que engrandece
A mais pura devoção.

Com isso, amando e servindo,
Foi aos poucos construindo
Trilhas num chão de estrelas,
E mesmo querendo apagar-se,
Não deixou de iluminar-se
No afã de entendê-las.

A sombra que nos encobre
O espírito rude e pobre
Foi esquecida pelo nobre servidor.
Chamou-nos com candidez
A amparar a viuvez
Espalhando paz e amor.

Lembrou-nos a indefesa criança
Necessitada de esperança
Assim como a idade tardia.
Aos nus ofertou agasalho,
À miséria, trabalho,
Ao desespero, harmonia.

Bateu de porta em porta
Levantando a esperança quase Morta
Dos filhos do Calvário.
Como a dizer-nos, simplesmente,
Para toda a alma crente,
Que a caridade é corolário.


Fez amigos em toda parte
Com o pão que se reparte
Na bênção que vem do livro
– Esclarecimento e consolo
Afastando o egoísmo tolo
Com a bondade e seu crivo.

E nessas tramas iluminadas
Soam novas clarinadas
Ao coração de todo o povo.
E toda a gente reclama
A continuidade dessa chama
Que se acenda de novo.

E, da celeste morada,
Sopra a nova baforada
De paz e renovação.
Do alto dos céus infinitos
Desce a consolação aos aflitos
Por nossa escola e lição.

E o povo brada que quer
Para sempre com ele e Jesus
A presença da terna luz
Do cândido Chico Xavier.

Maria Dolores

(Poema psicografado pelo médium Geraldo Lemos Neto, na noite de 21 de abril de 2008, em reunião pública no Centro Espírita Luz, Amor e Caridade.)

fonte: O Espírita Mineiro
BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - JULHO / AGOSTO - 2008 NÚMERO 304

Recomeço de uma nova existência

"Se o homem só tivesse uma existência, e se após essa, a sua sorte fosse fixada para a eternidade, qual seria o merecimento da metada da espécie humana, que morre em tenra idade, para gozar sem esforço da felicidade eterna? E com que direito seria ela libertada das condições, quase sempre duras, impostas à outra metade? Uma tal ordem de coisas não poderia estar de acordo com a justiça de Deus. Pela reencarnação, faz-se igualdade para todos: o futuro pertence a todos, sem exceção e sem favoritismo, e os que chegarem por último só poderão queixar-se de si mesmos. O homem deve ter o mérito das suas ações, como tem a sua responsabilidade."

O Livro dos Espíritos - Livro Segundo
Capítulo IV - Pluralidade das Existências
Explicação de Kardec/pergunta 199-a.

A Língua

Não obstante pequena e leve, a língua é,
indubitavelmente, um dos fatores determinantes no destino das criaturas.
Ponderada - favorece o juízo.
Leviana - descortina a imprudência.
Alegre - espalha otimismo.
Triste - semeia desânimo.
Generosa - abre caminho à elevação.
Maledicente - cava despenhadeiros.
Gentil - provoca reconhecimento.
Atrevida - traz a perturbação.
Serena - produz calma.
Fervorosa - impõe a confiança.
Descrente - invoca a frieza.
Francisco Cândido Xavier
Da obra: Preces e Mensagens Espirituais.
Ditado pelo Espírito André Luiz.

Basta um Minuto


"Um minuto serve para você sorrir para o outro, para você e para a vida.
Um minuto serve para você ver o caminho, olhar a flor, sentir o cheiro da flor, sentir a grama molhada, notar a transparência da água.
Basta um minuto para você avaliar a imensidão do infinito, mesmo sem poder entendê-lo.
Em um minuto apenas você ouve o som dos pássaros que não voltam mais.
Um minuto serve para você ouvir o silêncio, ou começar uma canção.
É num minuto que você dará o sim que modificará sua vida.
Basta um minuto para você apertar a mão de alguém e conquistar um novo amigo.
Em um minuto você pode sentir a responsabilidade pesar em seus ombros:
A tristeza da derrota, a amargura da incerteza, o gelo da solidão, a ansiedade da espera, a marca da decepção e a alegria da vitória...
Quantas vitórias se decidem num simples momento, num simples minuto!
Num minuto você pode amar, buscar, compartilhar, perdoar, esperar, crer, vencer e ser...
Num simples minuto você pode salvar a sua vida...
Num pequeno minuto você pode incentivar alguém ou desanimá-lo!
Basta um minuto para você recomeçar a reconstrução de um lar ou de uma vida.
Basta um minuto de atenção para você fazer feliz um filho, um aluno, um professor, um semelhante...
Basta um minuto para você entender que a eternidade é feita de minutos."

Beijos fraternos
Lu